← voltar para textos
← voltar para Igreja de São José do Ipiranga, São Paulo (SP)

CALIMÉRIO SOARES. O órgão de Coro “Cavaillé-Coll” da Paróquia São José do Ipiranga, São Paulo

O órgão de Coro “Cavaillé-Coll” da Paróquia São José do Ipiranga, São Paulo (1)

Por Calimerio Soares (a)

1.1. Histórico

Em sua Tese de Mestrado em Música, a organista Dorotéa Machado Kerr (b) faz referências importantíssimas a respeito deste instrumento. Segundo seu trabalho, este órgão fora instalado na antiga Catedral de São Paulo, supostamente em 1852.

Entretanto, ao compararmos cuidadosamente a placa da marca do órgão com as demais existentes cronologicamente, num estudo feito pelo organista e musicólogo Kurt Lueders (c) intitulado “A propósito da placa Cavaillé-Coll”, observamos que em virtude de uma mudança de razão social ocorrida em 1859, a firma passou de “A. Cavaillé-Coll fils à Paris” para “A. Cavaillé-Coll & Cie. à Paris”. Em vista disto, chegamos à conclusão que este instrumento fora construído entre 1859 e 1862.

No “Catálogo de Órgãos no Brasil” (d) (anexo à sua Tese de Mestrado), há uma referência sobre a existência de dois órgãos naquela antiga Sé Catedral, de acordo com um texto do Maestro Furio Franceschini:
Lembremos que também na velha Catedral de São Paulo, hoje demolida, havia dois órgãos: um sobre o portal principal da igreja (atualmente instalado na Matriz de São José do Ipiranga); outro menor, cuja caixa externa era de cor azul claro, órgão coral colocado numa tribuna, a uma certa altura, na parede do lado da Epístola, e próximo ao altar-mor.

No termo de doação do instrumento para a Catedral de São Paulo, aparece o nome do Cônego Joaquim do Monte Carmelo, para o qual um órgão havia sido fabricado, segundo consta da “Lista” publicada por Charles Mutin, em 1923. Transcrevemos o que se segue:

Fabricado por Joseph Étienne Napoléon Lebreton e Hyppolite (ilegível), fabricante de piano e órgãos com casa no Rio de Janeiro e estimáveis pessoas; sendo presid. desta província ou (ilegível) lista e conselheiro Dr. Padre Vicente Pies da Motta e Bispo diocesano virtuoso senhor Dom Sebastião Pinto do Rego e o seu Vigário Geral Cônego Joaquim de Manoel Gonçalves de Andrade que exercião tudo facilitarão ao dito Dr. Cônego Joaquim do Monte Carmelo na prestação de mais este relevante serviço à Sé Catedral de São Paulo. E aqui fica como monumento eloqüente de sua piedade e zelo religioso para estímulo e fervor do quantos, amando a virtude, quiserem merecer a estima dos homens e as bênçãos do céo. Data ilegível (e)

Uma complementação do termo de doação chegou-nos às mãos, graças às anotações feitas há muito tempo pelo organista José Luis Prudente de Aquino e que assim transcrevemos:

Este órgão mecânico foi construído em Paris, na oficina de Cavaillé-Coll, fabricante e mais célebre pelos grande melhoramentos que introduziu no mecanismo deste instrumento: encomendado pelo Dr. Cônego Joaquim do Monte Carmelo em sua viagem à Europa no ano de 1863, e aqui colocado por Joseph Etienne Napoleón Lebreton e Hyppolite Elis Portebois, franceses, fabricantes de pianos e órgãos , com casa no Rio de Janeiro, muito hábeis artistas e estimáveis pessoas: sendo Presidente desta província o ilustre Paulista e Conselheiro Doutor Pe. Vicente Pires da Mota e Bispo Diocesiano o virtuoso Senhor Dom Sebastião Pinto do Rego e seu digno Vigário Geral o Dr. Cônego Joaquim Manuel Gonçalves de Andrade, aos quais, com a autoridade que exerciam, tudo facilitaram ao dito Dr. Cônego Joaquim do Monte Carmelo, etc…

Na “lista” recentemente publicada por Huybens (f), encontra-se a data do pedido feito pelo Dr. Joaquim do Monte Carmelo em 08 de novembro de 1863, ao preço de 10.000 francos.

A viagem deste ilustre cônego à Europa, em 1863, ajuda-nos sobremaneira a melhor situar a data ou época de instalação do instrumento na Sé Catedral de São Paulo que, provavelmente ocorreu entre os anos de 1864 e 1866.

1.2. Fachada

Constituída por dois torretes laterais, com três grandes tubos cada: um menor e central contendo três tubos médios, é ladeado por duas “plate faces” contendo sete tubos cada. O frontão é delicadamente trabalhado, adornado com pequenas guirlandas de flores. O móvel é bastante simples, sem grandes rebuscamentos arquitetônicos. Do lado direito do corpo do órgão, ao canto, encontra-se a tubulação adaptada do Subbaixo 16’, que nada tem a ver com a estética original do instrumento.

1.3. Consola

De tração mecânica, a consola possui dois teclados manuais, com 54 teclas cada, na extensão de Dó a Fá e pedaleira plana com 27 teclas, na extensão de Dó a Ré.

Os puxadores de registro ladeiam a marca “A. Cavaillé-Coll et Cie. a Paris”, levemente desgastada pelo tempo, perfilando-se horizontalmente.

Os registros estão assim dispostos:

I Manual:

lado esquerdo: Montre 8’, Octave 4’
lado direito: Bourdon 8’, Flute Harmonique 8’

II Manual:

lado esquerdo: Viole de Gambe 8’, Voix Celeste 8’, Trompette 8’
lado direito: Clairon-Hautbois 4’, Doublette 2’, Flûte Octaviante 4’


Adaptada no canto extremo direito encontra-se a chave que aciona o jogo do Subbass 16’, adaptada à pedaleira por meio de tração elétrica.

As “Tirasses” são: I/Pedal, II/Pedal, Acouplement II/I, Tremblant e pedal que aciona a báscula da caixa expressiva.

1.4. Recursos Sonoros

   a) Esquema geral de disposição:

Jogos de Fundo Mutações Lingüetas

I MANUAL
(G.O.)

Montre 8′
Bourdon 8′
Octave 4′
Flute Harmonique 8′

II MANUAL
(Récit.)

Viole de Gambe 8′
Voix Celeste 8′
Flute Octaviante 4′
Doublette 2′

Trompette 8′
Clairon-Hautbois 4′

PEDAL Subbass 16′


   b) Resumo:

      Total de Registros – 11
      Total de Registros de Fundo – 09
      Total de registros de lingüetas – 02
      Registro de 16’ – 01
      Registro de 8’ – 06
      Registro de 4’ – 03
      Registros de 2’ – 01

   c) Observações

Este belo “Orgue de Choeur” presta-se para – além de suas funções específicas – a execução de parte do repertório organístico, evidentemente, observando-se as suas muitas limitações. Dependendo da habilidade do executante, até peças de maior porte podem ser tocadas.

A beleza dos jogos de fundo é enriquecida pelo brilhantismo dos jogos de lingüeta, potentes e vibrantes. A “Paleta Sonora” de Cavaillé-Coll pode ser notada e apreciada neste pequeno instrumento, que guarda nitidamente a marca de seu construtor.

A disposição dos registros deste órgão lembra muito aquela do “Orgue de Salon”, construído em 1892 para o organista Charles Marie Widor (g) , atualmente instalado na Igreja de Selongey.

1.5. Estado geral do instrumento

Foi com surpresa que encontramos o instrumento ainda de posse de uns 98% de sua originalidade. Este pequeno órgão é uma jóia preciosíssima, que deveria ser totalmente restaurada por um organeiro sério e competente, a fim de preservá-lo em sua originalidade.

O instrumento ainda soa bem, apesar de um pouco desafinado. O jogo de Subbaixo 16’ adaptado à pedaleira não funciona bem. Sugeriríamos a retirada deste jogo ‘não original’, a fim de preservar o instrumento tal qual foi concebido por Cavaillé-Coll, num futuro trabalho de restauração deste órgão.

_______________

a. Calimério Soares é compositor, cravista, organista e professor adjunto da UFU. Doutor em Música pela Universidade de Leeds, Inglaterra. É membro da Sociedade Brasileira de Música Contemporânea, da Associação Aristide Cavaillé-Coll de Paris e membro-fundador da Associação Brasileira de Organistas.
b. KERR, Dorotéa Machado. Possíveis Causas do Declínio do Órgão no Brasil. Rio de Janeiro, Escola de Música da UFRJ, 1985. p. 80.
c. LUEDERS, Kurt. Revue la flute harmonique. Paris, 23/24:19–34, 1982. Association A. Cavaillé-Coll.
d. KERR, op. cit., p. 474.
e. KERR, op. cit., p. 80–81.
f. HUYBENS, Gilbert. Liste des travaux exécutés par Aristide Cavaillé-Coll. Lauffen: ISO information, 1985, p. 52–53.
g. CLERC, Maurice. L’orgue et E. Cavaillé-Coll de Charles Marie Widor et sa récente installation à Selongey, p. 11.
1. Calimério Soares. Os órgãos ‘Cavaillé-Coll’ das Igrejas do Senhor do Bom Jesus do Brás e São José do Ipiranga na cidade de São Paulo e da Igreja da Ordem Terceira do Carmo (Salvador – Bahia). Revista Goiana de Artes, jan./dez. 1989. Disponível em nossa seção de textos.
Navegação

página inicial

participe do projeto

contato

Órgãos

lista geral (completa)


listagem:

    ◇ por construtor

    ◇ por lugar

    ◇ por período

    ◇ por características


mapa dos instrumentos


estatísticas
(órgãos em números)

Harmônios

Descubra mais

textos

glossário

sugestões de leitura