Igreja do Senhor Bom Jesus do Brás, São Paulo (SP)

Com apenas um manual e pedaleira, o órgão da Igreja do Senhor Bom Jesus do Brás, em São Paulo (SP), é um Cavaillé-Coll, construído em 1875. Foi comprado para a Igreja provavelmente entre 1935 e 1938. Passou por reformas por volta de 1950, quando Nicolau Lorusso modificou a tração de mecânica para pneumática; em 1984, reparos foram feitos por Lucas Bertucca Filho. Em visita feita em março de 2015, observou-se que o instrumento não possui condições de uso.

A Igreja conta, também, com um harmônio alemão, da marca Hinkel, com um manual e 10 registros.

Dados Gerais

  • Localização: Igreja do Senhor Bom Jesus do Brás – Av. Rangel Pestana, 1421, Brás, São Paulo (SP)
  • Construção:
  • Reformas/restaurações:
    • c. 1935: instalação do órgão na Igreja do Senhor Bom Jesus dos Brás
    • c. 1950, Nicolau Lorusso: modificação da tração original (mecânica) para pneumática
  • Características (2015):
    • 1 manual (54 teclas, C1-F5) e pedaleira (20 teclas, reta–paralela, C1-G2)
    • 9 registros
    • Tração pneumática
  • Funcionamento:
    • O instrumento não se encontra em funcionamento

Registros

A nomenclatura dos registos foi alterada no tempo. De acordo com Calimério Soares (1989), o instrumento conta com os seguintes registros (2):

  • Manual I (G.O.)
    • Principal 8’
    • Flûte 8’
    • Voix Celeste 8’
    • Trompette 8’
    • Prestant 4’
    • Octave 4’
    • Doublette 4’
       
    • Tremblant
    • Sup octave
    • Sub octave
  • Pedal
    • Subbass 16’
    • Bourdon 8’

Já segundo Dorotéa Kerr (2001), o instrumento tem o seguinte formato (3):

  • Manual
    • Trompa
    • Prestant
    • Principale 8’
    • Octave 4’
    • Flute 8’
    • Voz Celeste
    • Bordone 8’
       
    • Sup octave
    • Sub octave
    • Tremolo
  • Pedal
    • Com acoplamento

O que se vê, portanto, é aparentemente uma diferença de nomenclatura, com a ressalva de que os registros Doublette 4’ e Subbass 16’ não aprecem na relação mais recente. Os registros apresentados por Dorotéa Kerr parecem aqueles que se encontram hoje no instrumento (veja fotos abaixo); provavelmente os de Calimério eram anteriores à reforma, mais ligados à tradição francesa. Deste modo, é possível consolidá-los da seguinte forma:

  • Principal 8’ → Principale 8’
  • Flûte 8’ → Flute 8’
  • Voix Celeste 8’ → Voz Celeste
  • Trompette 8’ → Trompa
  • Prestant 4’ → Prestant
  • Octave 4’ → Octave 4’
  • Doublette 4’ → ?
  • Subbass 16’ → ?
  • Bourdon 8’ → Bordone 8’

Disposição

Os registros do instrumento podem ser dispostos, por família, da seguinte forma (4):

Notas:

(*) Segundo Calimério Soares, o registro Doublette 4’ soa como 2’, a sugerir que apenas a placa de identificação esteja errada; além disso, doublette costuma ser um principal de 2’, e não 4’.

(**) Também de acordo com Calimério Soares, o registro Octave 4’ soa como 2’ mas, nesse caso, é da família das flautas (octave costuma ser um principal, e não uma flauta). Calimério chama tal registro de Flautim 2’.

Para visualizar o gráfico em alta resolução, baixe o arquivo original aqui).

Harmônio

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-17.jpg
 Harmônio (1)

A Igreja possui um harmônio alemão, da marca Hinkel, com 1 manual e 10 registros; encontra-se colocado ao lado do altar, em frente à sacristia. Em seu exterior há a seguinte indicação, em placa frontal bastante desgastada: “Cardoso & Filhos Ltd. · Pianos e Harmoniums · Importadores · Rua Senador Feijó, 8, S. Paulo”.

  • Construção:
    • Hinkel, Alemanha, c. 1924 (número de série 57011) (5)
  • Características (2015):
    • 1 manual (61 teclas, F1–F6 + transpositor)
    • 10 registros (6)
    • 2 alavancas de joelho
  • Registros (7):
    • Forte
    • Bass-koppel
    • Viola 4’
    • Diapason 8’

      instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-16.png
       Disposição dos registros do harmônio (8)

    • Horn-echo 8’
    • Hohl-flöte 8’
    • Melodia 8’
    • Vox Coelestis 8’
    • Diskant-koppel
    • Forte

Textos

Os órgãos ‘Cavaillé-Coll’ das Igrejas do Senhor do Bom Jesus do Brás e São José do Ipiranga na cidade de São Paulo e da Igreja da Ordem Terceira do Carmo – Salvador – Bahia – Brasil (2)

            Calimério Soares

1.1. Histórico

De acordo com um “Contrato de Compra e Venda com reserva de Domínio”, passado no Cartório de Registro de Títulos e Documentos, lê-se: “UM ORGAM marca “A. CAVAILLÉ COLL” – PARIS movido a electrecidade e a manoal, tendo 500 tubos (vozes) mais ou menos de estanho virgem e madeira, 8 registros, pedalheira, teclado com 4/8 e em caixa de carvalho tudo em perfeito estado de conservação posto na Igreja do Braz”.

Mais abaixo, o preço: “15.000$000 (QUINZE CONTOS DE RÉIS)”. O documento encontra-se sem data e está assinado apenas pelo Vigário do Brás. Pela data que se lê nas “estampilhas federais (1934-1936)”, supomos ter sido o órgão adquirido entre os anos de 1935/38, aproximadamente.

É interessante notar a singularidade deste instrumento. Possui apenas um teclado manual de 54 teclas e pedaleira de 20 teclas, portanto, com uma oitava e meia de extensão. O sistema de tração deveria ter sido mecânico, dadas as peculiaridades específicas da consola para tal finalidade. De acordo com informações existentes no “Catálogo dos Órgãos no Brasil” (elaborado pela organista Dorotéa Machado Kerr como parte de sua tese de Mestrado), o sistema de tração foi transformado em pneumático por Nicolau Lorusso, por volta de 1950. A consola, pedaleira e banco, realmente, parecem originais. O móvel do órgão também parece original, inclusive, deixando-se perceber que ali poderia ter havido uma “caixa expressiva”, anteriormente àquela reforma. Seria, portanto, um instrumento maior, com dois manuais e pedaleira.

(continue lendo ...)

Fotos

É de destaque a transformação que sofreu o órgão; nas duas primeiras imagens, feitas por Calimério Soares (1989), é possível identificar puxadores de registro em tabletes no console, em diagonal ao teclado; em texto mais atual (2001), narra Dorotéa Kerr que “os puxadores originais dos registros, tão característicos da fábrica Cavaillé-Coll, foram substituídos por tabletes de plástico” (3). Já em nossas fotos de 2015, observa-se que o sistema de tabletes foi retirado.

Clique nas imagens para ampliá-las:

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-01.jpg
 Fachada dos tubos (9)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-02.jpg
 Console (9)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-03.jpg
 Fachada dos tubos (1)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-04.jpg
 Fachada dos tubos (1)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-05.jpg
 Manual (1)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-06.jpg
 Detalhe do manual (1)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-07.jpg
 Detalhe do manual (1)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-08.jpg
 Detalhe do manual (1)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-09.jpg
 Pedaleira (1)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-10.jpg
 Detalhe da lateral do banco (1)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-11.jpg
 Harmônio (1)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-12.jpg
 Teclado do harmônio (1)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-13.jpg
 Detalhe da plaqueta do harmônio (1), (10)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-14.jpg
 Fachada da Igreja (1)

instrumentos:senhor-bom-jesus-bras-sp-15.jpg
 Detalhe do vitral do altar (1)

Saiba mais

Referências e notas

1. Carlos Nascimento, 2015.
3. Dorotéa Kerr, «Catálogo de órgãos da cidade de São Paulo». São Paulo: Annablume, 2001. p. 99–100.
4. Carlos Nascimento, fev. 2015, com base os registros anotados por Calimério Soares, op. cit..
5. Nota: Em relação à data de construção, é possível afirmar, com base no seu número de série – 57011 –, que este harmônio foi construído entre 1922 e 1924. Marco Roepers lista um harmônio Hinkel de 1918 com número de série 47613, instalado na Holanda. Ivan Furlanis lista dois harmônios Hinkel de 1922, um com número de série 54003 e outro 55234, ambos instalados na Itália. De acordo com a Reed Organ Society, a Hinkel chegou aos 60 mil instrumentos em 1924; apresenta, também, alguns números seriais e os respectivos anos: 1908 = 35451, 1921 = 51648, 1922 = 53388. Deste modo, é muito provável que o instrumento seja de 1923 ou 1924.
6. Nota: Nos harmônios, diferentemente dos órgãos, os puxadores nem sempre correspondem a registros/filas; em muitos casos, abrem apenas uma parte de uma fila (v.g., mão esquerda, mão direita), alteram sua intensidade (v.g., forte) ou são acopladores (v.g., bass-koppel, diskant-koppel). Para se determinar com precisão o real número de filas seria necessário abrir o instrumento. Desse modo, o número que aqui apresentamos como “Registros” reflete, apenas, o número de puxadores/comandos que o instrumento apresenta.
7. Carlos Nascimento, anotações pessoais, mar. 2015.
9. Calimério Soares, 1989.
10. Nota: observa-se na plaqueta os seguintes dizeres:
Jro. Cardoso & Filhos Ltd.
Pianos e Harmoniums
IMPORTADORES
Rua Senador Feijó, 8 · S. Paulo

Registramos aqui nossos agradecimentos a Fernando Lacerda e ao Prof. Calimerio Soares pelas informações e pela cessão dos materiais relativos ao órgão em 2001. Agradecimentos igualmente devem ser feitos ao Pe. Enivaldo Santos do Vale, Alexandre e Nice pela atenção em visita feita ao órgão em mar. 2015.

(em nosso projeto este órgão está na ETAPA 3)

Navegação

página inicial

participe do projeto

contato

Órgãos

lista geral (completa)


listagem:

    ◇ por construtor

    ◇ por lugar

    ◇ por período

    ◇ por características


mapa dos instrumentos


estatísticas
(órgãos em números)

Harmônios

Descubra mais

textos

glossário

sugestões de leitura